Logo.png

Obá

       Obá: Orixá africana do rio Obá ou rio Níger. Obá é um Orixá pouco cultuado na Umbanda. A vibração deste Orixá está ligada às águas revoltas dos rios, pororocas, águas fortes, ao lugar das quedas;  esses são os domínios de Obá.

       Ela é tida como guerreira, mulher consciente do seu poder que luta e reivindica os seus direitos.

       Na África, Obá era cultuada como a grande protetora do poder feminino, por isso também é saudada como Íyá Agbá (mãe antiga).

       É um Orixá feminino, considerada mais forte que muitos Orixás masculinos. É uma guerreira e seus símbolos são uma espada e um escudo.

       Em sua representação, Obá sempre está tapando uma das orelhas com as mãos. Isto é devido à lenda de que Obá foi enganada por Oxum que a levou a cortar sua própria orelha para oferecê-la como alimento a Xangô, na esperança de assim reconquistar seu amor. Ele num gesto de repugnância expulsou-a do seu reino. Assim, a dor do abandono e da desesperança ficou como marca registrada de Obá sendo tais sentimentos regidos pela Orixá. Obá rege a desilusão amorosa, a tristeza, o sentimento de perda e o ciúme.

       Toda a energia de sua paixão frustrada é canaliza para a guerra, tornando-a a guerreira mais valente.

Seu sincretismo é feito com Joana D'arc que nasceu na França em 1412 e morreu em 1431. Foi uma importante personagem da história francesa, durante a Guerra dos Cem Anos. Joana D'arc foi canonizada (transformada em santa) no ano de 1920.

       Quando era criança, presenciou o assassinato de membros de sua família por soldados ingleses que invadiram a vila em que morava.

       Com 13 anos de idade, começou a ter visões e receber mensagens, que ela dizia ser dos santos Miguel, Catarina e Margarida. Nessas mensagens, ela foi orientada a entrar para o exército francês, chegando a comandar tropas. Suas vitórias e o reconhecimento que ganhou do rei Carlos VII despertaram a inveja em outros líderes militares da França.

       Em 1430, durante uma batalha em Paris, foi ferida e capturada pelos borgonheses que a venderam para os ingleses. Foi acusada de praticar feitiçaria em função de suas visões e condenada à morte na fogueira. Foi queimada viva na cidade de Rouen, em 30 de maio de 1431.

Obá.jpg